Home > Cidade > Agricultores acampam em frente ao Tjam contra liminar de reintegração de posse em comunidades no AM

Agricultores acampam em frente ao Tjam contra liminar de reintegração de posse em comunidades no AM

Agricultores do interior do estado realizaram uma manifestação na manhã desta segunda-feira (16) em frente à sede do Tribunal de Justiça do Amazonas (Tjam), em Manaus. Eles montaram um acampamento no local e reivindicam a suspensão de uma liminar que autorizou a reintegração de posse em comunidades rurais dos municípios de Manacapuru e Novo Airão em janeiro deste ano.

Os manifestantes afirmam que as terras são do estado e que mais de 1,5 mil pessoas estão desabrigadas. Segundo a representante da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Maria Clara Ferreira Mota, a reintegração de posse ocorreu em favor de uma empresa privada, entre os dias 9 e 16 de janeiro deste ano.

“As comunidades perderam tudo que tinham, não sabiam por onde ir. Nós acionamos o defensor, tivemos uma audiência dia 8 de fevereiro, ele ouviu cada um e ajudou naquilo que pôde. No dia 19 [de fevereiro] nós tivemos uma outra audiência na Assembleia Legislativa, nós reunimos mais de 800 pessoas e com isso houve vários encaminhamentos, fizemos manifestação e, a partir daí, construímos todo esse processo para ajudar no esclarecimento”, disse.

A representante informou que, após reuniões, foi solicitado que um topógrafo da CPT fosse até o local averiguar se a terra era, de fato, pertencente à empresa privada. O resultado do levantamento comprova, segundo as lideranças, que a área é do estado e que as famílias estão autorizadas a manter atividades de agricultura no local.

Segundo a representante da comunidade do Ramal do Mariano, Arthemisa Vasconcelos, foram mais de 300 casas destruídas e 1,5 mil pessoas desabrigadas por conta da reintegração.

“Hoje nós estamos aqui porque queremos nossas terras de volta e porque nós fomos tirados dessas terras onde nós moramos há mais de 10 anos. São sete comunidades no local. Tivemos mais de 1500 pessoas desapropriadas e que não têm onde morar. Nós estamos aqui hoje aguardando uma decisão do desembargador. Não somos invasores, somos agricultores e queremos nossas terras”, afirmou.

O grupo pretende ficar acampado na frente do Tribunal até que haja uma resposta da Justiça sobre a liminar da reintegração.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *